FAMÍLIA E A SOCIEDADE

05/10/2017 21:29

 

CAPITULO 1

A Família é a Base da Sociedade

 

I.         O Que é a Família?

A família é a primeira comunidade da raça humana. Ela surgiu antes de todas as instituições. Antes que se formassem os povos e as nações. Ela é o núcleo básico da sociedade.

“Criou Deus, pois, o homem a sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou…” Gn 1.27-28.

Deus é o criador da família. Portanto ele é o único que tem a autoridade e o direito de dizer o que é a família, para que existe e como deve funcionar.

“Por isso deixa o homem  pai e mãe, e se une a sua mulher, tornando-se  os dois uma só carne” Gn 2.24

II.      Qual a Situação Atual da Sociedade?

A crise da sociedade de hoje está principalmente nas famílias. Nos lares existem tensões, contendas, discussões, iras, gritarias, ofensas, ressentimentos, amarguras e até, separações e divórcios.

A família é o alvo dos maiores ataques de Satanás.

A destruição da família acontece porque o homem abandonou o conselho de Deus e adotou os critérios e idéias humanas. Tem a igreja solução para os problemas da família? Pode Jesus Cristo salvar a família? Certamente que SIM.

Qual o Objetivo deste Estudo?

a)  Transmitir o conselho de Deus sobre a família, para que se possa vivê-lo e ensiná-lo a outros.

b) Ensinar a proteger nossas esposas, maridos e filhos dos ataques de satanás e da corrente mundana que destrói as famílias.

c)  Edificar a igreja com base em famílias sólidas. Se as famílias são santas e sólidas, a igreja é santa e sólida.

d) Preparar famílias para serem exemplo para a sociedade Mt 5.13,14.

Que Recursos Temos para a Reconstrução da Família?

“Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam” Sl 127.1.

a)  Temos instruções claras da palavra de Deus – Sl 19.7-9.

b) Temos o poder do Espírito Santo – Gl 5.22-23.

c)  Temos a valiosa ajuda do corpo de Cristo. Existem muitos irmãos no corpo de Cristo, maduros e com famílias bem formadas que são exemplo, e podem aconselhar e orientar a outros – Mt 28.20; Ef 4.15,16.

Qual é a Nossa Esperança e Fé para as Famílias da Igreja?

Esperamos ter famílias que vivam a realidade do reino de Deus. Lares que O agradem. Cremos que Ele nos aperfeiçoará até sermos:

a)  Um povo formado por famílias sólidas e estáveis.

b) Solteiros que mantenham sua santidade.

c)  Casais que convivam em harmonia e fidelidade.

d) Filhos obedientes e que respeitem seus pais.

e)  Esposas submissas, maridos amorosos e responsáveis.

f)   Um povo que saiba trabalhar, estudar, progredir, casar, criar filhos, cuidar de suas casas com disciplina e ordem.

g)  Um povo de discípulos diligentes, responsáveis, generosos e que saibam servir.

h) Um povo formado por famílias sadias e felizes, onde haja amor, paz e alegria.

Meditação e Estudo

1ª  Qual a verdade básica e fundamental que precisamos saber sobre a família?

2ª  Faça uma lista dos motivos que levam a destruição das famílias.

3ª  Como a palavra de Deus vai nos ajudar na reconstrução das famílias?

4ª  De que maneira o Espírito Santo vai nos ajudar a superar os problemas familiares?

 

CAPÍTULO 2

Para que Existe a Família?

Muitos que se casam nunca perguntaram: Para que existe a família?. Casam-se, trabalham, se esforçam, compram coisas, têm filhos, mas não sabem o por quê. Esta falta de definição leva a maioria das pessoas a crerem que são bons pais, apenas por darem a seus filhos a comida, roupa, casa, escola, etc. Tudo isto é necessário, mas não é o fundamental. Qual é o propósito da família ?

Objetivos Errados

a)  Alguns tem como principal objetivo da vida o progresso material. Vivem desejando e trabalhando para alcançar o progresso desejado (Lc 12.15).

b) Outros casam para ter felicidade pessoal. São egoístas. Pensam só em receber e nunca em dar. Querem ser servidos e não servem. O fracasso é certo.

c)  Outros fazem da família um fim em si mesma. É a idolatria da família. A família se torna mais importante que Deus.

d) Há aqueles que se casam para terem os benefícios da vida de família, tais como: a alegria de viver em companhia, o dar e o receber afeto, o deleite das relações sexuais, a cobertura e proteção, a alegria de ter filhos, etc. Todos estes benefícios são legítimos, mas não podemos fazer deles o objetivo e propósito para a família.

Qual é o Propósito de Deus para a Família?

Deus é o criador da família. Ele é o dono da família. A família existe para ele (Rm 11.36). Ele tem um propósito para a família.

Por que Deus instituiu o casamento? Por que deu uma esposa para Adão? Porque Deus tem um propósito eterno.[1]

A Família existe para cooperar com o propósito de Deus: ter uma Família de muitos Filhos Semelhantes a Jesus.

Como a Família Coopera com o Propósito de Deus?

Na Criação de Filhos para Deus

É emocionante pensar que podemos ter filhos a quem Deus pode adotar como Seus filhos. Com este propósito em vista, todo trabalho e esforço da família se transforma em um serviço para Deus. Cozinhar, lavar, passar, trabalhar para o sustento diário, ter filhos, cria-los, instrui-los, educa-los, tudo isto deve ser para Deus. Somos seus colaboradores. Aleluia!

Os que se casam com o propósito de ter os benefícios do casamento, dificilmente serão felizes. Logo descobrirão que além dos benefícios, há trabalho, responsabilidades, dificuldades, lutas e sofrimentos.

Deus não forma uma família para si mesmo às custas da nossa felicidade. Ele quer que sejamos felizes e que desfrutemos os benefícios que a família oferece. Mas os benefícios são secundários. O importante é o seu propósito eterno.

Como ficam os casais que não podem ter filhos?

Todos podem ter filhos, quer seja gerando ou adotando-os. Há tantos filhos que precisam de pais!

Como ficam os que não se casam?

Podem dedicar-se a outros aspectos do serviço na obra do Senhor. Jesus não se casou, Paulo não teve família, mas ambos se entregaram totalmente ao propósito de Deus.

Na Formação e Desenvolvimento do Ser Humano

A convivência familiar nos coloca nas circunstancias ideais para nosso aperfeiçoamento. É na família que se forma o nosso caráter. Nela, aprendemos a praticar o amor, a humildade, a paciência, a bondade e a mansidão. Também aprendemos responsabilidade, disciplina, sujeição, serviço, respeito e tolerância. Assim como aprendemos a perdoar, confessar, suportar, negar a nos mesmos, exercer autoridade com amor, corrigir com graça, sofrer, orar e confiar em Deus.

O lar é a escola de formação tanto para os pais quanto para os filhos. Deus vai utilizar a convivência familiar, mais do que qualquer outra coisa, para transformar o nosso caráter à semelhança de Jesus Cristo (Rm 8.28-29).

Como Base para o Crescimento e a Edificação da Igreja

Isto acontece quando abrimos os nossos lares para que os perdidos possam encontrar a vida de Cristo e o ensino da palavra de Deus.

“Bem-aventurado aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos! Do trabalho de tuas mãos comerás feliz serás, e tudo te ira bem. Tua esposa no interior de tua casa, será como a videira frutífera; teus filhos como rebentos da oliveira, a roda da tua mesa. Eis como será abençoado o homem que teme ao Senhor! O Senhor te abençoe desde Sião, para que vejas a prosperidade de Jerusalém durante os dias de tua vida, vejas os filhos de teus filhos. Paz sobre Israel!” (Sl, 128).

Meditação e Estudo

1ª  O que acontece com a família que vive sem um propósito claro ou com objetivos errados?

2ª  O que se pode fazer para corrigir este erro?

3ª  Reescreva o primeiro parágrafo do ponto 2 (Qual O Propósito De Deus Para A Família),com as suas próprias palavras.

4ª  Por que Deus quer adotar nossos filhos como SEUS   filhos?

5ª  O que muda na nossa atitude quando vemos que nossa vida em família deve cooperar com o propósito de Deus?

6ª  Quais são os benefícios de se viver em família?

 

 

Busque compreensão de tudo que foi estudado até aqui.
Medite sobre seus objetivos e atitudes.
Faça as correções necessárias.

CAPÍTULO 3

 

O Casamento

O Casamento Foi Instituído Por Deus

“Por isso deixará o homem  a seu pai e a sua mãe, e se unir-se-á a sua mulher, e  serão os dois uma só carne. De modo que já não são mais dois, mas uma só carne. Portanto o que Deus ajuntou não o separe o homem"  Mc 10.7-9.

O casamento não foi estabelecido por uma lei humana, nem inventado por alguma civilização. Ele antecede toda a cultura, tradição, povo ou nação. É uma instituição divina.

O casamento não é uma sociedade entre duas partes, onde cada uma coloca as suas condições. Deus é quem estabelece as condições, não o homem ou a mulher. Nem os dois de comum acordo. Nem as leis do país. Quem se casa deve aceitar as condições estabelecidas por Deus. E não há nada o que temer porque Deus é amor e infinitamente sábio.

O Fundamento do Casamento

Base Do Casamento É A Vontade Comprometida Pelo Pacto Mútuo E Não O Amor Sentimental.

O Amor

Em nossos dias, existe o conceito generalizado de que o amor sentimental é a base do casamento. Isto por causa do romantismo e do erotismo na literatura, cinema e televisão. Certamente que o amor sentimental é um ingrediente importante do casamento, mas não é a sua base.

Deus não poderia estabelecer algo tão importante sobre uma base tão instável como os sentimentos. Na realidade, muito do que se chama de “amor”, é egoísmo disfarçado. O amor erótico, ou romântico, busca a satisfação própria ou o beneficio que pode ter através do outro.

Diversas razões podem modificar os nossos sentimentos: problemas de convivência, maltrato, falhas de caráter do cônjuge, o surgimento de alguém mais interessante, etc. Depois de algum tempo, muitos casamentos chegam a esta triste conclusão: “Não nos amamos mais. Devemos nos separar.”

A Vontade Comprometida

Quando um homem e uma mulher se casam, fazem um pacto, uma aliança. Comprometem a sua vontade para viverem unidos até que a morte os separe. Deus os responsabiliza pela decisão (Ec 5.4-5; Ml 2.14; Mt 5.37).

Nem sempre podemos controlar os nossos sentimentos, mas a nossa vontade, sim. Quando os sentimentos “balançarem”, o casamento se manterá firme pela fidelidade ao pacto matrimonial. Cristo é o nosso Senhor e nossa vontade está sujeita à dele. Desta maneira, ainda que atravessemos momentos difíceis, a unidade matrimonial não estará em perigo.

O Casamento É que Sustenta o Amor

Há um conceito errado que diz: “acabou o amor, acabou o casamento!” Mas a verdade de Deus é que todos os casados devem se amar. É um mandamento. Deus não diz que o casamento subsiste enquanto durar o amor. Os cônjuges podem desobedecer a Deus e não amarem-se, todavia isto não invalida a união. Deus diz que eles devem amar-se porque estão unidos em casamento (Cl 3.19; Tt 2.4).

O verdadeiro amor (ágape) existe quando alguém pensa no bem do outro, quer fazê-lo feliz, nega-se a si mesmo, se da, suporta, perdoa, etc. Com este entendimento, o verdadeiro amor aflora, cresce e se torna estável. Este tipo de amor não anula o amor romântico, mas santifica, embeleza e o faz durável (Cl 4.10).

O Casamento é Sagrado e Indissolúvel

O Vínculo Matrimonial

“De modo que já não são mais dois, porém uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem” Mt 19.6 11.

“A mulher está ligada ao marido enquanto ele viver, contudo, se falecer o marido, fica livre para casar com quem quiser, mas somente no Senhor” 1 Co 7.39.

Estes textos nos mostram claramente que:

a)  O vínculo matrimonial é fortíssimo. São “uma só carne”.

b) O vínculo é realizado pelo próprio Deus. “O que Deus ajuntou”.

c)  É um vínculo indissolúvel enquanto os dois cônjuges estão vivos. “A mulher está ligada ao marido enquanto ele viver”. Somente a morte de um dos dois pode dissolvê-lo.

d) Nenhum homem ou lei humana pode dissolver este vínculo Quem o fizer, estará se rebelando diretamente contra Deus.

Separação, Divorcio e Recasamento[2]

Separação

“Ora, aos casados, ordeno, não eu mas o Senhor, que a mulher não se separe do marido. Se, porém, ela vier a separar-se, que não se case, ou que se reconcilie com seu marido; e que o marido não se aparte de sua mulher” 1Co 7.10-11.

a)  Deus claramente diz NÃO para a separação.

b) Se por acaso o cônjuge incrédulo se separa (1Co 7.12-15), a opção do cônjuge crente é ficar só, nunca recasar.

Divórcio

“Porque o Senhor foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira e a mulher da tua aliança. E não fez ele somente um, ainda que lhe sobejava espirito? E porque somente um? Não é que buscava descendência piedosa? Portanto cuidai de vos mesmos, e ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade. Pois eu detesto o divorcio, diz o Senhor Deus de Israel” Ml 2.14-16.

Deus exige lealdade ao pacto matrimonial, pois ele aborrece o divorcio.

Recasamento

“Quem repudiar sua mulher e casar com outra, comete adultério contra aquela. E se ela repudiar seu marido e casar com outro, comete adultério” Mc 10.11-12.

“De sorte que será considerada adúltera se, vivendo ainda o marido, unir-se com outro homem; porém, se morrer o marido, estará livre da lei, e não será adúltera se contrair novas núpcias” Rm 7.3.

“Quem repudiar sua mulher e casar com outra, comete adultério; e aquele que casa com a mulher repudiada pelo marido, também comete adultério” Lc 16.18.

Quando alguém se divorcia e se casa de novo, não sendo por infidelidade, Deus não considera isto casamento, mas sim Adultério. Se um solteiro se casa com uma mulher repudiada, também Adultera, e vice-versa.

Exceção : A não ser por infidelidade (fornicação - Fornicação na Bíblia é todo o tipo de prática sexual condenada por Deus. Fornicação inclui adultério, lascívia, prostituição, homossexualismo, bestialidade, incesto e qualquer outra perversão sexual.)

“Quem repudiar sua mulher, não sendo por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério, e o que casar com a repudiada comete adultério” Mt 19.9.

Apesar do texto de Mt 19.3-12 trazer margem para uma exceção, devemos considerar alguns fatores:

a)   Aqui Jesus está respondendo uma questão dos Fariseus que queriam experimentá-lo (v.3);

b)  Jesus não respondeu a pergunta que eles fizeram, antes, reafirmou o princípio do casamento: “Uma só carne…” (v.4-6);

c)   Indagado sobre a permissão dada por Moisés para o Divórcio, Jesus respondeu:

d)  Por causa da dureza do coração dos homens (v.8);

e)   E reafirmou que, apesar da dureza de coração, só lhes seria permitido repudiar e dar carta de divórcio se a mulher tivesse tido relações sexuais antes do casamento ou se ela fosse de outro homem (v.9; Dt 24.1-4).

f)    Entretanto, disse aos discípulos: “quem repudiar a sua mulher e Casar com outra comete adultério e quem casar com a repudiada, comete adultério contra ela”.

Para os discípulos de Jesus, a primeira coisa que se exige é o perdão, fruto de um coração flexível e amoroso. A segunda é que, se houver separação, ela será sempre provocada pelo cônjuge incrédulo. E terceira, nesse caso, deverá ficar sem casar novamente, ou que se reconcilie com o cônjuge.

Independente do fato que motivou a separação e o divórcio, o segundo casamento deve ser analisado à luz da palavra de Deus.

O fato das leis do pais permitirem o divorcio e novo casamento, não modifica em nada a situação do casamento. Os discípulos de Jesus estão sob o governo de Deus, e suas leis permanecem para sempre.

Devemos apreciar a firmeza de Deus ao exigir o cumprimento de suas leis com respeito ao casamento. É uma expressão de seu amor para preservar a família e da posteridade de todos.

Meditação e Estudo

1ª   Porque razão Deus quis estabelecer o casamento como uma unidade firme e permanente?

2ª   O que Deus fez para dar estabilidade ao casamento?

3ª   Conversar sobre a importância de cada um dos três elementos que determinam o casamento.

4ª   Explicar a relação que existe entre o amor e o compromisso da vontade dentro do casamento.

5ª   Qual o efeito que terá dentro do casamento, a decisão firme dos cônjuges de nunca considerar o divorcio como uma solução para os problemas matrimoniais?

6ª   Se alguém abandona o seu cônjuge por qualquer motivo e se casa novamente, como Deus vê isto?

7ª  E se a pessoa abandonada (a vítima) se casa, como Deus vê?

 

CAPÍTULO 4

 

O Papel De Cada Cônjuge

Muitos problemas no casamento, são causados pela falta de conhecimento do papel de cada cônjuge. Deus deu uma função a cada um. Para que haja harmonia na vida familiar, é necessário que marido e mulher conheçam e aceitem seu próprio papel e o de seu cônjuge.

“Quero, entretanto, que saibais ser Cristo o Cabeça de todo homem, e o homem o Cabeça da mulher, e Deus o cabeça de Cristo” 1Co 11.3.

“Porque o marido é o Cabeça da mulher, como também Cristo é o Cabeça da igreja”. Ef 5.23

“Disse mais o Senhor Deus: não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma Ajudadora que lhe seja Idônea” Gn 2.18.

Homem e mulher são diferentes em muitas coisas, e por isso se complementam. Não devemos ignorar as diferenças, nem competir, mas admirar a graça, o encanto e a capacidade que Deus deu à mulher, e a visão, fortaleza e atitudes que deu ao homem.

Cada Cônjuge Deve Conhecer, Assumir e Desempenhar o Seu Papel. Também Deve Conhecer e Aceitar o Papel Do Outro, Dando Lugar Para Que O Exerça.

III.      O Papel Dos Cônjuges e o Propósito De Deus

Já vimos que o propósito da família é o de cooperar com o propósito de Deus: o de ter uma família de muitos filhos semelhantes a Jesus. O papel que Deus deu ao homem e a mulher, aponta para este objetivo.

Foi por este motivo que Deus deu ao homem uma ajudadora idônea com capacidades distintas para auxiliá-lo. Não é uma “companheira” apenas. Muito menos uma “servente”. É uma Ajudadora Idônea, para que juntos cooperem para com o propósito de Deus, cada um no seu papel.

IV.      Significado E Responsabilidade Do Cabeça

Ser cabeça significa assumir a responsabilidade geral da família. Ele deve buscar, com a ajuda de sua esposa, que a família se encaminhe para o propósito de Deus. O homem é responsável por:

a)  Governar o lar (1Tm 3.4,12).Governar com graça e amor. Ser o representante de Jesus para a família. Expressar o caráter de Cristo com a sua conduta. Não usar de sua autoridade para impor sobre a família os seus próprios caprichos (Mc 10.43).

b)  Trabalhar para prover o sustento familiar (Gn 3.19; 1Ts 4.11,12; 1Tm 5.8).

c)  Amparar, cuidar e proteger a família (Ef 5.29). Solucionar todas as dificuldades que surjam, com a ajuda do Senhor. Guiar a família a uma convivência amorosa e feliz, onde todos possam se desenvolver física, mental e espiritualmente.

d) Ser sacerdote para a família (Gn 18.19).Ensinar a palavra de Deus, instruir, animar, edificar, repreender e corrigir. Ensinar principalmente com o exemplo.

e)  Assumir a responsabilidade principal na disciplina dos filhos (1 Sm 3.12-13; Hb 12.7-9).

f)   Ter o papel principal na formação dos filhos homens. Especialmente depois dos 8 ou 10 anos. Afirmar os valores de sua masculinidade. Ensinar-lhes habilidades e trabalhos manuais. Iniciá-los nos negócios. Praticar esportes. Dar educação sexual, etc.

g)  Ocupar funções de liderança na igreja (1Tm 2.11-14).

V.           Significado E Responsabilidade Da Ajudadora Idônea

Deus concedeu ao homem um complemento inteligente e eficaz. Sozinho o homem é incompleto para cumprir o propósito de Deus. Homem e mulher, formam juntos uma unidade completa para multiplicar-se e encher a terra. A mulher deve usar sua inteligência, capacidade e experiência buscando um objetivo comum com o marido. Ser unida e solidária a ele, sem atitudes independentes. Ela deve reconhecer que o marido tem a autoridade principal. Não competir com ele, mas sim complementar-lhe. Precisa entender que o marido necessita ser ajudado em sua sensibilidade. Precisa de ânimo, compreensão, sorriso, aprovação e cooperação em tudo quanto faz. A mulher é responsável por:

a)  Se ocupar mais na criação dos filhos (1Tm 2.15; 5.14).Ser mãe é a sua maior missão

b) Atender a família e cuidar da alimentação (Pv 31.21-22).

c)  Cuidar do vestuário (Pv 31.21-22).

d) Cuidar da casa (Tt 2.5).

e)  Ajudar com a carga financeira (Pv 31.16-18,24).Isto, na medida que seja necessário e possível, evitando ao máximo sair do lar.

f)   Cuidar da formação integral das filhas. Ensinar-lhes sobre: educação sexual, modos, comportamento social, tarefas domésticas, habilidades manuais, conduta frente ao sexo oposto e, principalmente, a serem femininas.

g)  Ensinar as sagradas escrituras aos filhos (2Tm 1.5; 3.14-15).

h) Instruir as mulheres jovens como desempenharem seu papel de esposa e mãe (Tt 2.3-5).

VI.      Atitudes Erradas Do Homem

a)  Não assumir seu papel como cabeça. Quando é assim, a esposa fica sobrecarregada pelo peso de tantas obrigações familiares. Há homens que pensam que sua função se limita a trabalhar fora de casa e trazer o salário no final do mês. A sua esposa deve cuidar do resto (concertos, finanças, saúde, disciplina dos filhos, vida espiritual, etc.). Isto traz um grande desajuste na família e deve ser corrigido.

b) Anular a mulher. Alguns querem fazer tudo sozinhos. Não conversam com suas esposas nem buscam a opinião delas. Não delegam responsabilidade, absorvem tudo. Pensam que são completos. A mulher fica frustrada e amargurada.     
O homem deve dar lugar para que a mulher desempenhe sua função com critério próprio, criatividade, gosto e o “quase mágico” toque feminino.

VII.      Atitudes Erradas da Mulher

a)  Tomar o lugar do marido. Algumas mulheres querem assumir a liderança da família e anulam o marido. Querem dirigir tudo, ter sempre a última palavra. Não dão valor à opinião do marido.                                         
A mulher não foi feita por Deus para levar esta carga. Assim ela arruina o marido e quebra a ordem de Deus. Também sobrecarrega a si mesma. Fica alterada, nervosa e não conhece o descanso da sujeição. Tudo isto produz uma família infeliz e filhos criados com mal exemplo, que vão repetir os mesmos erros quando tiverem seus próprios lares.

b) Ser independente do marido. Algumas buscam independência pessoal. Tem seus próprios objetivos, suas próprias amizades, seu próprio dinheiro. Buscam sua própria realização e dão prioridade a sua profissão. Não compartilham certas áreas de sua vida fazendo seus próprios programas. Não se interessam muito pelos projetos, atividades e amizades do marido. Quando isto acontece, é óbvio que o casamento está no caminho errado. Perigo! É necessário revisar a fundo, procurar as causas, corrigi-las com a ajuda de Deus. O casamento é uma unidade total. Os dois são “uma só carne”.

VIII.      Responsabilidade Conjuntas

Muitas das responsabilidade devem ser compartilhadas pelos dois, tais como: planejamento, administração das finanças, compra de novos bens, educação espiritual e de caráter dos filhos, apoio e controle dos estudos, cuidado com a saúde, lazer, realização da obra do Senhor, etc.

IX.      Ocupações

Geralmente o homem ocupa a maior parte do tempo no trabalho e a mulher com a casa e os filhos. Se não tiverem filhos, a mulher terá mais liberdade para sair, trabalhar e ajudar economicamente. Mas quando ela for mãe, seu lugar é no lar. A maternidade é a grande missão que Deus lhe deu, e ela deve consagrar-se à tarefa de criar filhos.

Há situações extremas. Caso a mulher precise sair para trabalhar, Isto Deve Ser Visto Como Um Mal Necessário, e nunca como um ideal. A ausência da mãe é muito prejudicial para o desenvolvimento dos filhos e do bem estar da família.

Qualquer Profissão Que A Mulher Tenha, Deve Estar Subordinada Ao Seu Papel De Mãe.

Meditação e Estudo

1ª  Por que o cristão deve rejeitar as idéias que confundem a diferença entre os sexos e o papel particular do marido e da esposa dentro do casamento?

2ª  Resuma com as suas próprias palavras a responsabilidade particular do marido no casamento.

3ª  Resuma com as suas próprias palavras a responsabilidade particular da esposa no casamento.

4ª  Por que a família é prejudicada quando o homem não assume o seu papel de cabeça?

5ª  Que acontece quando a mulher não assume o seu papel de auxiliadora?

 



[1]Este tema está tratado amplamente na Apostila 2 – O Propósito :Eterno de Deus e Como Alcançá-lo.

 

 

© 2010 Todos os direitos reservados.

Crie um site grátisWebnode